Remco Evenepoel Campeão Mundial

Remco Evenepoel Campeão Mundial

Autoestrada 25 sep. 2022 19:12 Guilherme

Exibição de Remco Evenepoel, o mais inteligente em uma corrida louca, que impôs sua tremenda fortaleza para ganhar a camisa arco-íris com um ataque magnífico e irrevogável a duas voltas do final.

Lei de Remco Evenepoel prevalece no Campeonato Mundial de Ciclismo

Ele já fez isso como júnior no Campeonato Mundial de 2018 em Innsbruck, quando deixou claro o nível de ciclista que nos esperava, fez isso este ano em Liège-Bastogne-Liège e no San Sebastian Classic e, mais uma vez, Remco Evenepoel impôs sua tremenda classe para nos dar uma nova exibição que lhe permitiu conquistar o arco-íris com apenas 22 anos.

Mundial estranho que começou com Mathieu Van der Poel sendo notícia. Durante a noite anterior à corrida, alguns adolescentes estavam batendo na porta de seu quarto de hotel. O holandês saiu e os confrontou, a polícia acabou intervindo e ele ficou na delegacia até as 4 da manhã. Obviamente não eram as melhores maneiras de começar uma um Mundial.

O holandês saiu depois de correr 30 quilômetros, parece que Van Der Poel terá que ficar 6 semanas no país australiano de acordo com seu empresário Christoph Roodhoolft.

A corrida começou e, depois de formar a fuga do dia, 11 corredores com Simon Pellaud, Juraj Sagan e Nícolas Sessler como os nomes mais destacados, chegava a primeira passagem por meta onde Van der Poel terminou sua corrida, embora não a sua permanecer na Austrália, pois, após o incidente, seu passaporte foi retirado até a resolução de seu caso.

Desde a primeira passagem por Wollongong, enfrentou-se a longa subida ao Monte Keira, onde saltou a surpresa com uma ambiciosa seleção francesa que começou a apertar o ritmo com homens como Vlasov e Cosnefroi. Um ritmo duro que começou a cobrar seu preço e coroando conseguiu formar um corte importante em que entraram 5 franceses e alguns como Pogacar e Wout Van Aert que estavam atentos ao movimento.

Manteriam a aposta na descida e na primeira volta do circuito quando ainda faltavam 190 quilômetros. No entanto, a falta de entendimento acabaria causando ataques em que se formou um grupo de 5 com Sivakov, Serry, O'Connor, Plapp e Batistella enquanto o restante foi pego pelo pelotão.

A calma finalmente chegaria à corrida, com a fuga a mais de 8 minutos e o já mencionado grupo de 5 pegando a fuga. Atrás era a hora de trabalhar para reduzir a diferença, papel assumido pelas equipes holandesa e espanhola.

O próximo momento decisivo veio quando o ritmo acelerou a 70 quilômetros do final. Houve um grande corte no pelotão de 25 integrantes que deixava os principais favoritos fora de jogo, mas não Remco Evenepoel que entrou lá junto com outros tão notáveis ????como Romain Bardet, Jai Hindley ou Lutsenko abrindo uma vantagem e conseguindo chegar até os da frente.

Assim chegámos à parte final da prova, com este grupo tirando 2 minutos do pelotão principal em que não havia entendimento para caçar. Passagem pela meta a duas voltas do final e foi o momento que Remco Evenepoel escolheu para arrancar. Apenas Alexey Lutsenko conseguiu manter na roda.

No entanto, já tínhamos visto essa história, o que tinha que acontecer aconteceu e na subida ao Monte Pleasant Remco em ritmo desumano foi demais para o cazaque. Remco Evenepoel ficou sozinho sem nenhum sinal de que alguém pudesse contestar sua vitória na gloriosa volta e meia que restava até a linha de chegada.

Atrás, o restante da fuga tentava remar sem sucesso, já pensando nas duas medalhas restantes. Pensaram tanto que a poucas centenas de metros da linha de chegada o pelotão conseguiu alcançá-los e em um sprint apertado, a prata foi para Christophe Laporte, um prêmio merecido pelo enorme campeonato mundial francês; enquanto o bronze foi para Michael Matthews, que deixou Wout Van Aert com cara de poucos amigos depois de terminar em um amargo 4º lugar.

Classificação Elite Masculino

  1. Remco Evenepoel (Bélgica) 06h16’08’’
  2. Christophe Laporte (Francia) +02’21’’
  3. Michel Matthews (Australia) m.t.
  4. Wout Van Aert (Bélgica) m.t.
  5. Matteo Trentin (Italia) m.t.
  6. Alexander Kristoff (Noruega) m.t.
  7. Peter Sagan (Eslovaquia) m.t.
  8. Alberto Bettiol (Italia) m.t.
  9. Ethan Hayter (Gran Bretaña) m.t.
  10. Mattias Skjelmose (Dinamarca) m.t.

Van Vleuten entra no Olimpo

Nem mesmo o melhor roteirista teria pensado em uma reviravolta na história como a que vimos no resultado da prova feminina, onde a grande favorita a priori, Annemiek Van Vleuten, deixou de ser após sua queda espetacular no contrarrelógio por equipes mistas em que machucou o cotovelo, deixando a sua participação no ar até ao último momento, e que acabou por surpreender nos últimos metros para conquistar o seu segundo Campeonato Mundial de Ciclismo depois de vencer em Yorkshire em 2019.

A prova feminina foi decidida nas últimas três voltas, especificamente na penúltima passagem por Mount Pleasant onde o ritmo acelerou, o que provocou a primeira grande seleção no pelotão que deixou a australiana Grace Brown como principal vítima, uma das favoritas a levar o título.

A Austrália não teve outra escolha a não ser mudar de tática e se engajar nos ataques, o que acabou enlouquecendo a corrida, que chegava enfileirada à penúltima passagem pela subida onde Kashia Niewiadoma lançou um duro ataque que foi seguido apenas por Liane Lippert, Cecile Uttrup Ludwig, Elisa Longo Borghini, and Ashleigh Moolman-Pasio. Uma jogada que nocauteou a atual campeã mundial Elisa Balsamo.

Liane Lippert contra-atacou quase coroando e levando a italiana na roda, produzindo uma perseguição intensa na descida e no plano que levava a última passagem pela meta. As cinco fundiram-se e atrás, uma equipe holandesa que até agora não havia tido protagonismo tem de mostrar a cara.

Trabalho incomensurável de Ellen Van Dijk que quase sozinha conseguiu diminuir a diferença até neutralizar as cinco primeiras, bem na entrada da última volta.

Tudo ia ser decidido na última subida do Monte Pleasant, apesar de Marlen Reusser tentar antecipar os movimentos das favoritas. Mais uma vez, as mesmas 5 corredoras que desencadearam os ataques na volta anterior são as que se destacam na frente enquanto a equipe holandesa tentava com uma sem fundo Marianne Vos e Annemiek Van Vleuten trabalhando para ela, até que Vos, vendo-se sem pernas, deu-lhes liberdade para avançar.

Espetacular perseguição nos últimos quilômetros com as líderes se entendendo perfeitamente e um grupo de 8 atrás, formado por corredoras como Arlenis Sierra, Silvia Persico, Lotte Kopecky e a própria Annemiek Van Vleuten perseguiam tentando manter suas chances de vitória vivas.

Parecia de todas as formas que a vitória ia estar na frente até que, cruzando a bandeira do último quilômetro, foram alcançadas. Finalmente o arco-íris seria disputado no sprint, pelo menos era o que acreditávamos até que uma esgotada Annemiek Van Vleuten, a última que conseguiu conectar, tirou força de onde não havia e lançou um ataque surpresa, um estilo que no seu tempo deu a vitória a Óscar Freire naquele lembrado Mundial em Verona, conseguiu abrir uma pequena vantagem que lhe permitiu alcançar a glória em uma temporada perfeita em que venceu o Giro, Tour, Vuelta e Mundial.

Classificação Elite Feminina

  1. Annemiek Van Vleuten (Países Bajos) 04h24’25’’
  2. Lotte Kopecky (Bélgica) +01’’
  3. Silvia Persico (Italia) m.t.
  4. Liane Lippert (Alemania) m.t.
  5. Cecile Uttrup Ludwig (Dinamarca) m.t.
  6. Arlenis Sierra (Cuba) m.t.
  7. Juliette Labous (Francia) m.t.
  8. Katarzyna Niewiadoma (Polonia) m.t.
  9. Elise Chabbey (Suiza) m.t.
  10. Elisa Longo Borghini (Italia) m.t.

procurando

Newsletter

Assine a nossa newsletter e receba todas as nossas novidades. Mountain bike, conselhos sobre treinamento e manutenção de sua bike, mecânicos, entrevistas ...

Você vai estar ciente de tudo!

¿Prefieres leer la versión en Español?

Remco Evenepoel Campeón del Mundo

Visitar

Do you prefer to read the English version?

Remco Evenepoel World Champion

Go