Por que Portugal é o maior fabricante de bicicletas da Europa

Autoestrada 5 ago. 2022 15:08 Guilherme

Com mais de 2,6 milhões de bicicletas fabricadas em 2020, Portugal é o maior produtor de bicicletas da Europa. Aqui contamos como eles vieram a ser.

As bicicletas europeias não vêm do Oriente, mas sim de Portugal

Estamos acostumados a ouvir falar de Taiwan quando falamos sobre a origem das bicicletas que usamos. Isso é verdade quando falamos de bicicletas de gama alta, quadros de carbono exclusivos que as marcas fabricam naquela ilha distante que possui a mais avançada tecnologia para manuseio de fibra de carbono.

No entanto, muitas vezes perdemos a perspectiva de que essas bicicletas esportivas são apenas uma minoria das fabricadas no ano. As bicicletas urbanas, para uso recreativo ou modelos para crianças representam o principal volume de fabricação de bicicletas e sim, muitas delas são fabricadas na vizinha Portugal.

A região em torno da cidade de Águeda, a meio caminho entre o Porto a norte e Coimbra a sul, tornou-se o epicentro da indústria do ciclismo em Portugal. Uma história que começa em meados do século XX e que nos últimos anos recebeu um forte impulso condicionado pelas condições que temos vivido.

De fato, existem várias marcas reconhecidas que têm fábricas próprias nestas terras, como a Orbea, BH ou SRAM, além de muitas outras que fabricam para os mercados do norte da Europa ou fornecem componentes a muitas outras empresas líderes. As razões para este sucesso industrial são várias.

  1. Tradição

A primeira fábrica de bicicletas portuguesa, a Fábrica Nacional de Bicicletas, foi fundada por essas bandas em 1922. Nessa altura, a região já era um importante polo da indústria metalúrgica que, tal como noutras partes do mundo, diversificava a sua produção para o crescente mundo do ciclismo que exigia cada vez mais unidades desse meio de transporte rápido e barato.

No entanto, foi após a Segunda Guerra Mundial que as empresas internacionais se voltaram para Portugal. As primeiras a fazê-lo foram várias empresas britânicas que viram em terras portuguesas um local com condições perfeitas para deslocalizar a sua produção e baixar custos, processo que anos mais tarde se repetiria em larga escala com a transferência da produção da maioria das marcas para o oriente. Apesar disso, Portugal tem conseguido manter excelentes condições como produtor de bicicletas e fornecedor de componentes.

  1. Medidas protecionistas da União Europeia

A crise econômica de 2008 teve como uma das consequências o estabelecimento de uma série de medidas antidumping pela União Européia para proteger o mercado da União da invasão excessiva de produtos orientais.

Isso significou para muitos fabricantes que, pelo volume de negócios e outros fatores, não era mais interessante recorrer a fornecedores orientais, o que os obrigou a buscar novas alternativas. O leste da Europa e, claro, a já estabelecida indústria portuguesa tomaram então o bastão, aumentando a sua importância como fornecedores de componentes de ciclismo de qualidade.

  1. O covid e crise da Ucrânia

Embora para o resto do mundo a pandemia do covid que paralisou a economia mundial durante 2020 tenha sido um golpe no seu crescimento, teve efeitos colaterais que a indústria portuguesa de ciclismo tem sabido aproveitar. O impacto sofrido pelas redes de abastecimento e cujos efeitos ainda se fazem sentir dois anos depois, obrigou muitas marcas a procurar fornecedores alternativos e, claro, lá estava a indústria portuguesa à espera de mãos abertas e oferecendo uma redução de custos de transporte devido à maior proximidade de suas fábricas.

Algumas redes de distribuição também foram afetadas pela crise da guerra na Ucrânia, como confessou há alguns meses a empresa alemã Cube, o que, sem dúvida, também resultou num aumento da importância da estrutura produtiva de Portugal. Tudo isto resultou num aumento de 39% nas exportações de produtos de ciclismo de Portugal

  1. Colaboração entre empresas

O apoio dado entre as diferentes empresas de ciclismo do país vizinho também tem sido fundamental no desenvolvimento desta atividade na região de Águeda. De fato, o setor gera 8.000 empregos diretos, número que sobe para 25.000 se levarmos em conta os fornecedores locais que fornecem os diferentes produtos e matérias-primas que as empresas do setor de ciclismo precisam para sua produção.

Para realçar a importância deste tecido industrial, a associação portuguesa de fabricantes de bicicletas criou há alguns anos o selo Bike Value Portugal para destacar o bom trabalho dos produtos feitos sob esse selo, promover a indústria portuguesa de ciclismo e atrair investimento internacional que continuem impulsionando a economia local.

  1. Investimento em tecnologia

Apesar do sucesso alcançado nos últimos anos e que colocou a indústria portuguesa na liderança europeia da fabricação de bicicletas, não dormiu sobre louros e continua apostando em tecnologia para melhorar as capacidades produtivas das suas fábricas. Isso inclui um parâmetro tão na moda como a sustentabilidade, com fábricas mais eficientes energeticamente falando e levando em consideração a redução do CO2 gerado.

Embora tradicionalmente a indústria de ciclismo portuguesa se baseie no trabalho do alumínio e do aço, não são poucas as empresas que, pouco a pouco, investem na tecnologia de fabricação de fibra de carbono e um exemplo é a abertura da primeira fábrica automatizada de fabricação de quadros de carbono fora da Ásia.

Newsletter

Assine a nossa newsletter e receba todas as nossas novidades. Mountain bike, conselhos sobre treinamento e manutenção de sua bike, mecânicos, entrevistas ...

Você vai estar ciente de tudo!