Conselhos fáceis de aplicar para pedalar mais rápido

Conselhos fáceis de aplicar para pedalar mais rápido

Autoestrada 20 sep. 2022 12:09 Guilherme

Bater os KOMs, superar sua marca ou ser o primeiro do grupo exige pedalar mais rápido. Além do treino duro, há uma série de truques que o ajudarão a atingir esse objetivo, aproveitando muito melhor sua força.

Pedalar rápido vai além dos watts

Todos os ciclistas que sobem na bicicleta com uma filosofia esportiva procuram, em maior ou menor medida, a mesma coisa: ir cada vez mais rápido. Isso porque a esportividade é inerente à prática do ciclismo desde os primórdios da sua prática.

Ninguém se surpreende que para melhorar na bike seja necessário treinar forte e constante além de cuidar de outros parâmetros como alimentação ou o material. No entanto, nem tudo são watts e quilos neste esporte. As corridas nem sempre são vencidas pelos mais fortes, mas em muitas ocasiões, o vencedor é quem melhor sabe ler e gerir cada uma das situações que surgem.

Fora da competição, podemos aplicar várias lições do mundo da competição para tirar o melhor proveito de nossas sempre escassas forças. Há uma série de truques e detalhes que você pode usar para alcançá-lo.

Em subida

Começamos abordando aquele que é sem dúvida o terreno mais decisivo no ciclismo e aquele que tende a separar os mais fortes dos menos fortes. Obviamente, ter uma boa relação peso/potência é essencial aqui. No entanto, o ciclista muitas vezes falha na forma de abordar as subidas para não atingir todo o desempenho que poderia.

A gestão da velocidade de subida é fundamental para não desfalecer antes de chegar ao topo, algo para o qual a experiência é vital para saber interpretar as nossas sensações e capacidades. No entanto, ter um medidor de potência pode se tornar uma ajuda útil nessas ocasiões, fornecendo informações objetivas sobre nosso ritmo de subida. Manter um ritmo o mais constante possível e em faixas de intensidade que sabemos que podemos sustentar durante a subida é a chave.

Relacionado a isso está o principal erro que os cicloturistas cometem, que nada mais é do que começar muito rápido tentando não perder a roda de seus companheiros. Às vezes, ter a cabeça fria e estabelecer o próprio ritmo nos fará capturar gradualmente aqueles que também decidiram iniciar a subida com otimismo excessivo. Obviamente, o conhecimento do terreno e do tipo de subida importa muito aqui, pois, em subidas íngremes, o fator de andar na roda pode nos economizar muitos watts se você subir rápido.

Por último, não podemos esquecer outro dos erros típicos, que é usar marchas muito pesadas que fazem pedalar em baixa cadência e forçam o ciclista a ficar em pé constantemente. Com as marchas disponíveis nas bicicletas atuais, não há desculpa para não ter uma pedalada mais leve que resultará em menos fadiga muscular ao longo da subida.

Quando chega a descida

É doloroso observar em um passeio de bicicleta ou dentro de muitos grupos como as descidas, uma das partes mais divertidas de andar de bicicleta, para muitos se tornam uma provação em que perdem tudo o que ganharam nas subidas.

Não estamos falando de descer para como loucos como vemos na competição, mas simplesmente descer com segurança e traçando de uma forma fluida que nos permita manter o ritmo de descida e, por que não, recuperar facilmente o que cedemos ao longo da subida, se não for o nosso forte.

Entre os principais erros que costumam ser observados em descidas, o mais comum é não segurar na curva do guidão, posição que nos dá melhor aerodinâmica, pegada mais firme contra buracos, maior estabilidade ao baixar o centro de gravidade e mais uso eficiente dos freios.

De fato, relacionado à insegurança gerada durante as descidas e ir segurando na parte superior das alavancas está o abuso dos freios que nos faz descer mais lentamente do que poderíamos e reduz sua eficácia devido ao maior aquecimento que suportam. Há que tentar não usar os freios além de reduzir a velocidade ao se aproximar de curvas. Em linha reta, não faz o menor sentido frear apesar de que se faça por medo e da insegurança.

Conhecer a descida e fazer as linhas o mais limpas possível, além de nos fazer perder menos velocidade em cada curva, nos fará descer mais seguros, pois precisamos forçar menos em cada curva.

A toda velocidade pelo plano

Embora possa parecer um terreno sem graça, o terreno plano e a subida são talvez o ponto onde um ciclista inteligente pode tirar proveito de sua força contra outros de nível semelhante. Uma situação que se resume em saber manter o máximo de forças possível para usar o que temos unicamente nos momentos-chave.

Ninguém ignora que quando a velocidade aumenta, a aerodinâmica se torna um aspecto essencial, algo que podemos melhorar simplesmente adotando uma posição mais baixa e mais estreita na bicicleta se estivermos em grupo ou andando sozinhos.

Como regra geral, se alcança a melhor posição segurando sobre as alavancas e com os cotovelos em ângulo reto tentando apoiar os antebraços seguindo a linha do guidão. Uma postura que podemos melhorar se estreitarmos nossa superfície frontal ou usar um guidão mais estreito como os que estão sendo usados ??com cada vez mais frequência.

A aerodinâmica também é o ganho que obtemos andando em grupo e aproveitando as rodas de outros ciclistas. Uma técnica em que muitos amadores também costumam falhar porque não conseguem toda a economia que poderiam ao pedalar muito longe do ciclista à sua frente ou em uma posição inadequada para a direção do vento.

Se não temos certeza de onde vem o ar, às vezes é complicado com o barulho intenso de muitos ciclistas andando juntos, podemos prestar atenção nos galhos das árvores ou nas bandeiras e outros elementos próximos à estrada.

Também é importante avaliar o nível do grupo em que rodamos para passar a ajudar nos revezamentos se tivermos força, mas sem gastar todas elas e se arrepender mais tarde na próxima ladeira, ou permanecer para trás seguindo a roda se o nível do grupo é mais alto que aquele que nossas energias podem aguentar e onde, se tentarmos assumir, só vamos desacelerar o avanço global do grupo.

Todo o componente tático de rodar no plano se multiplica quando o terreno se torna complicado e entramos em terrenos íngremes onde ler cada situação que ocorre tem sua influência.

Assim como no plano, a proteção do grupo é fundamental para manter o ritmo alto. No entanto, não é raro ver aqueles que põe um ritmo alto na primeira subida que aparece que só serve para destruir o grupo cuja ajuda poderia vir a calhar mais tarde.

Outro dos erros que costumam cometer em áreas íngremes é que, por serem curtas, sobem com tudo tentando manter o ritmo. Se for uma subida isolada pode valer a pena, mas quando começarem a se unir podemos estar cavando nossa própria cova. Na verdade, basta dar uma olhada no medidor de potência nessas situações para verificar que subir dessa maneira significa valores de potência desproporcionais que acabam cobrando seu preço ao longo dos quilômetros.

Também é útil ao enfrentar este tipo de terreno olhar à distância para tentar adivinhar o que está por vir. Se, por exemplo, vemos que quando chegamos ao topo de uma subida temos uma descida e outra subida segue, em vez de simplesmente nos deixarmos cair, se pedalamos durante a descida para alcançar maior velocidade, enfrentaremos a próxima subida com maior velocidade o que nos fará coroá-la mais facilmente.

Como você pode ver, o ciclismo de estrada não é apenas pedalar como um robô, mas também nossa capacidade de saber interpretar diferentes situações pode nos ajudar a aproveitar ao máximo as forças que temos e talvez seja a coisa mais apaixonante do ciclismo. Além das pequenas orientações que lhe explicamos, a experiência é vital para saber quando temos que reservar ou quando temos que fechar um gap. Para isso, é fundamental analisar as situações e tentar tirar lições tanto dos nossos acertos como, sobretudo, dos nossos erros.

procurando

Newsletter

Assine a nossa newsletter e receba todas as nossas novidades. Mountain bike, conselhos sobre treinamento e manutenção de sua bike, mecânicos, entrevistas ...

Você vai estar ciente de tudo!