SCOTT Foil RC 2023, o míssil Scott renovado

Autoestrada 29 jun. 2022 22:06 Guilherme

Viajamos até Lago d'Iseo para ver em primeira mão a nova Scott Foil RC 2023, a mesma que os corredores da Team DSM vão estrear no Tour de France.

A SCOTT Foil 2023 é um superesportivo

Scott evolui sua Foil RC para torná-la ainda mais aerodinâmica

Vamos voltar para 2010. Naquela época, a maioria das bicicletas ainda tinha um visual tradicional, muitas vezes, se limitava a transferir para fibra de carbono o que havia sido feito a vida toda nos quadros metálicos. Aos poucos, algumas marcas introduziram formas mais elaboradas, embora muitas vezes com a estética como único objetivo.

Apenas a Cervélo e algumas outras marcas se aproximaram do conceito de aerodinâmica como forma de melhorar o desempenho do ciclista. Uma palavra que aos poucos foi soando mais. No entanto, a implementação de perfis aerodinâmicos nos tubos apresentava algumas limitações: tornava os quadros menos confortáveis, pois tinham mais material no plano longitudinal e prejudicava a rigidez, pela seção transversal ser mais estreita.

Scott aproveitou os novos regulamentos da UCI para tornar sua Foil RC mais aerodinâmica.

Foi Scott, com sua primeira Foil, que encontrou a chave para resolver o problema. Usar perfis aerodinâmicos em que a traseira fosse truncada, de modo que o ar continuasse a fazer um trajeto semelhante, mas os tubos fossem mais compactos ao longo do comprimento e pudessem ser alargados para evitar flexão lateral. Chamaram-lhe tecnologia F01 e rapidamente as restantes marcas começaram a ter em conta a aerodinâmica nos seus modelos e a aplicar uma solução semelhante.

Hoje, 12 anos depois, a Scott Foil chega à sua 4ª geração buscando não apenas melhorar ainda mais a aerodinâmica graças ao relaxamento dos regulamentos da UCI a esse respeito, mas alcançá-lo sem afetar o peso, a rigidez e o conforto de uma bicicleta que nasce com a velocidade e desempenho como um objetivo.

Renovação total

Se o modelo anterior Scott Foil RC foi o da introdução de freios a disco e a aposta sem meias medidas pela aerodinâmica em comparação com a abordagem mais versátil de suas antecessoras, esta nova Foil RC se aprofunda na redução da resistência contra o vento, beneficiando-se do relaxamento dos regulamentos da UCI que afetaram as proporções que os tubos aerodinâmicos das bicicletas tinham que cumprir.

De passagem, Scott aproveitou para deixar mais leve esta Foil RC e dotá-la de uma melhor transferência de força, respondendo aos pedidos dos ciclistas mais poderosos da Team DSM que, apesar de terem à sua disposição a versão anterior desta bicicleta, apenas foram utilizadas em favor da Addict RC, a opção mais escaladora da Scott.

SCOTT Foil 2023: andar rápido nunca foi tão fácil Foto: Markus Greber

3 anos de desenvolvimento

Há três anos começou a gestação desta Foil RC. Um processo que Scott iniciou com o desenho das qualidades aerodinâmicas da bicicleta. Para este processo, a marca contou com a colaboração do guru da aerodinâmica Simon Smart através do seu laboratório Drag2Zero, que já deu frutos no passado com bicicletas tão rápidas como a Scott Plasma de contrarrelógio.

Um processo em que foram projetadas e simuladas usando software de computador de dinâmica de fluidos ou CFD diferentes soluções que logo foram testadas no túnel de vento Drag2Zero usando protótipos rápidos feitos com impressão 3D.

Linhas estilizadas para melhorar a resistência ao vento da bicicleta mais aerodinâmica da Scott. Foto: Markus Greber

Entre as soluções testadas e adotadas, o próprio Simon Smart nos contou parte desse processo de tentativa e erro até encontrar a melhor alternativa. Por exemplo, ele nos explicou como o tubo diagonal com parte da frente limpa era mais eficiente do que se fosse alargado para diminuir a influência das garrafas, já que, ao colocar um ciclista em cima, a interação com as pernas teve um pior resultado final, ou o ganho que encontraram em um ponto aparentemente insignificante como a junção entre o tubo inferior e o do selim.

Tubo inferior e caixa de direção de perfil truncado.

Por fim, as principais soluções aerodinâmicas adotadas nesta Scott Foil RC foram colocadas no perfil do tubo inferior mais profundo, bem como no tubo do selim, mais vertical e mais largo, otimizado para interagir com um pneu de 28 mm na roda traseira.

A caixa de direção e o tubo inferior são mais profundos para melhor aerodinâmica. Foto: Markus Greber

A caixa de direção também cresce na direção da bicicleta e o garfo, que possui pernas com perfil assimétrico com maior curva na face interna, é finalizado com uma base mais plana e perfilada que guia o ar de forma mais limpa para o tubo inferior.

Seatstay para dentro para direcionar o fluxo de ar para os raios. Foto: Markus Greber

Os seatstay também foram trabalhados de forma importante, girando seu perfil em direção ao interior para que o fluxo de ar convirja na turbulência gerada pelos raios da roda traseira, um desenho que, de acordo com o que puderam observar em suas medições

Construir uma bicicleta

Depois de obter a aerodinâmica desejada, a próxima fase do processo era criar a bicicleta propriamente dita. Foi aí que entrou o trabalho dos projetistas, encarregados de unir harmoniosamente os diferentes perfis aerodinâmicos e dos engenheiros de materiais que tiveram que, através de centenas de iterações no software de análise de elementos finitos ou FEA, decidir como seria o laminado do quadro e as diferentes peças de carbono para atingir os parâmetros de rigidez e peso necessários.

Protótipo feito em impressão 3D para testar soluções aerodinâmicas.

Neste ponto, Scott conseguiu nesta Foil RC uma bicicleta simplesmente rochosa mas que, por sua vez, é 9% mais leve que a geração anterior graças à redução das peças que compõem o quadro, apenas 5 blocos formados pelo dois triângulos traseiros, o triângulo dianteiro completo em um único bloco e uma peça que abriga o canote e a abraçadeira que é feita separadamente para ter maior controle das tolerâncias necessárias em um elemento tão crítico.

A análise de elementos finitos gera os diferentes pedaços de carbono que formarão o laminado do quadro.

Isso significa que o quadro Foil RC no tamanho 56 chega a apenas 915g, em sua versão HMX-SL topo de linha, incluindo pintura e os parafusos. Assim como na Addict RC, este modelo acompanhará apenas a montagem mais requintada, enquanto o restante da coleção terá que se contentar com o quadro HMX, alguns gramas mais pesado.

E o conforto?

Já falamos sobre aerodinâmica, rigidez e peso. No entanto, um quadro também deve ter um certo nível de absorção para que não se torne insuportável com o passar das horas ou quando circulamos em estradas ruins.

No entanto, Scott priorizou a resistência na construção do quadro desta Foil RC, deixando a tarefa de absorção nas mãos dos pneus de 28 mm que são montados de série na roda traseira, enquanto na dianteira o 25 é escolhido por razões aerodinâmicas, embora, se buscamos o máximo conforto, aceita até 30 mm em ambas as rodas.

O canote Duncan SL Aero CFT tem um design dividido em dois para favorecer a absorção. Foto: Markus Greber

Mas, os pneus não são suficientes na hora de filtrar todos os impactos que atingem a traseira da bicicleta. Para adicionar mais absorção, Scott criou para esta bicicleta o canote Syncros Duncan SL Aero CFT. Um canote dividido em duas metades totalmente independentes. A dianteira, que é a que desempenha funções estruturais, tem uma seção mínima, por isso tem uma grande amplitude de flexão. Apoia-se sobre a parte posterior com um perfil mais profundo que exerce uma função aerodinâmica e de apoio a metade dianteira. Ambas as partes são totalmente independentes, apenas encaixadas por uma pequena saliência para garantir a posição correta.

Com os solavancos, ambas metades friccionam entre si, por isso devem ser lubrificadas com uma graxa específica à base de silicone resistente à água, e temos que verificar a lubrificação aproximadamente a cada 1.000 quilômetros.

Luz Syncros Campbell 20 Aero iL integrada no canote Duncan SL Aero CFT. Foto: Markus Greber

Além disso, uma segunda zona flexível é adicionada a parte superior, deixando um espaço entre onde a peça traseira termina e a cabeça do canote de selim. Um espaço que a marca aproveitou para colocar a luz traseira Syncros Campbell 20 Aero iL que adiciona visibilidade extra sem quebrar a aerodinâmica da bicicleta.

Em qualquer caso, a Scott terá um canote convencional com o perfilado específico desta Foil RC que pode ser adquirido como opção e que será utilizado nas bicicletas Team DSM para poupar alguns gramas em detrimento do conforto que proporciona.

Guidão Creston iC SL Aero redesenhado a partir do Addict para melhor aerodinâmica. Foto: Markus Greber

Já que estamos falando do componente Syncros, aproveitar para mencionar o redesenho sofrido pelo conjunto integrado de guidão e mesa Creston iC SL Aero, que melhora sua aerodinâmica por ter uma área frontal mais plana em vez do Y marcado que descrevia o empregado na Addict RC.

SCOTT Foil 2023: modelos, disponibilidade e preços

Para vestir esta Foil RC, Scott preparou 5 montagens diferentes, desde a SRAM Red até a nova Shimano 105 Di2.

Scott Foil RC Ultimate

O degrau mais alto é ocupado pelo modelo Ultimate, o mesmo que pudemos usar durante a apresentação que está equipado com SRAM Red eTAP AXS e as fabulosas rodas Zipp 454 NSW. A única que possui o quadro topo de linha HMX-SL. Uma bicicleta que é finalizada com o conjunto de guidão mesa integrado Syncros Creston iC SL Aero. Uma bicicleta que sai da balança com 7,22 kg no tamanho 56.

Scott Foil RC Ultimate. Foto: Markus Greber
  • Quadro/garfo: Foil RC HMX-SL
  • Grupo: SRAM Red eTAP AXS. Pedivelas com medidor de potência. Coroas 48/35, cassete 10-33
  • Guidão / Mesa: Syncros Creston iC SL Aero
  • Rodas: Zipp 454 NSW
  • Canote: Syncros Duncan SL Aero CFT
  • Selim: Syncros Belcarra V-Concept 1.0
  • Pneus: Schwalbe Pro One Microskin TL-Easy. 25 dianteiro, 28 traseiro

Scott Foil RC Pro

Imediatamente abaixo, a versão Foil RC Pro escolhe o novo Shimano Dura-Ace Di2 que vem acompanhado de rodas Shimano C50 e também do conjunto de guidão e mesa integrados. Embora tenha que se contentar com o quadro HMX, tem um peso competitivo de 7,32 kg.

Scott Foil RC Pro. Foto: Markus Greber
  • Quadro/garfo: Foil RC HMX
  • Grupo: Shimano Dura-Ace Di2. Coroas 52/36, cassete 11-30
  • Guidão / Mesa: Syncros Creston iC SL Aero
  • Rodas: Shimano WH-R9270 C50
  • Canote: Syncros Duncan SL Aero CFT
  • Selim: Syncros Belcarra V-Concept 1.0
  • Pneus: Victoria Corsa. 26 dianteiro, 28 traseiro

Scott Foil RC 10

No terceiro escalão temos a Foil RC 10, que elege o Shimano Ultegra Di2 para sua montagem. As rodas ficam a cargo do modelo aerodinâmico de carbono da casa, a Syncros Capital 1.0 50 com perfil de 50 mm. A partir deste modelo, dispensam o cockpit integrado e é elegido uma mesa e guidão separados. Neste caso, uma mesa Syncros RR 1.5 Aero e um guidão Syncros Creston 1.0 Aero que mantém o mesmo design aerodinâmico do conjunto integrado montado por suas irmãs maiores.

Scott Foil RC 10. Foto: Markus Greber
  • Quadro/garfo: Foil RC HMX
  • Grupo: Shimano Ultegra Di2. Coroas 52/36, cassete 11-30
  • Guidão / Mesa: Syncros Creston 1.0 Aero / Syncros RR 1.5 Aero
  • Rodas: Syncros Capital 1.0 50
  • Canote: Syncros Duncan SL Aero CFT
  • Selim: Syncros Belcarra V-Concept 2.0
  • Pneus: Schwalbe One Race-Guard. 25 dianteiro, 28 traseiro

Scott Foil RC 20

Entrando na gama intermediária, Scott nos traz nesta Foil RC 20 uma montagem baseada no SRAM Rival eTAP AXS que, como o modelo superior, escolhe as rodas de carbono Syncros Capital 1.0 50 para manter o desempenho total contra o vento. No quadro também encontramos a mesma mesa Syncros RR 1.5 Aero. No entanto, o guidão passa a ser o Syncros Creston 2.0 Aero, feito de alumínio em vez de carbono.

Scott Foil RC 20. Foto: Markus Greber
  • Quadro/garfo: Foil RC 2023 HMX
  • Grupo: SRAM Rival eTAP AXS. Coroas 48/35, cassete 10-33
  • Guidão / Mesa: Syncros Creston 2.0 Aero / Syncros RR 1.5 Aero
  • Rodas: Syncros Capital 1.0 50
  • Canote: Syncros Duncan SL Aero CFT
  • Selim: Syncros Belcarra V-Concept 2.0
  • Pneus: Schwalbe One Race-Guard. 25 dianteiro, 28 traseiro

Scott Foil RC 30

Para o modelo de entrada Foil RC 30, a Scott escolheu o novo Shimano 105 Di2 no qual a marca japonesa decidiu democratizar seus grupos de funcionamento eletrônico. Nesta bicicleta, a orientação é muito menos esportiva, como indicado pela transmissão puramente cicloturista com a combinação 1:1 oferecida por seu 34x34. O cockpit é idêntico ao de sua irmã maior, ou seja, mesa Syncros RR 1.5 Aero e guidão Syncros Creston 2.0 Aero. Para as rodas, é escolhido um modelo básico de alumínio, especificamente o Syncros RR 2.0. Tudo isso, mantendo o mesmo quadro de suas irmãs. Na imagem que acompanha esta linha aparece montada com Ultegra já que o novo Shimano 105 Di2 que equipará a versão de série ainda não está disponível.

Scott Foil RC 30. Foto: Markus Greber
  • Quadro/garfo: Foil RC HMX
  • Grupo: Shimano 105 Di2. Coroas 50/34, cassete 11-34
  • Guidão / Mesa: Syncros Creston 2.0 Aero / Syncros RR 1.5 Aero
  • Rodas: Syncros RR 2.0
  • Canote: Syncros Duncan SL Aero CFT
  • Selim: Syncros Belcarra V-Concept 2.0
  • Pneus: Schwalbe One Race-Guard. 25 dianteiro, 28 traseiro

No entanto, de momento, apenas os corredores da Team DSM poderão usufruir desta nova máquina, uma vez que esta nova Scott Foil RC não chegará ao mercado até ao final de 2022. A marca não quis tornar públicos os preços das diferentes montagens, supomos que não saberemos enquanto não houver unidades disponíveis.

Newsletter

Assine a nossa newsletter e receba todas as nossas novidades. Mountain bike, conselhos sobre treinamento e manutenção de sua bike, mecânicos, entrevistas ...

Você vai estar ciente de tudo!