Potenciômetro de pedivela vs pedais, qual é melhor?

Potenciômetro de pedivela vs pedais, qual é melhor?

Componentes bicicleta 20 sep. 2022 13:09 Guilherme

No mercado encontramos diferentes tipos de medidores de potência, embora os mais populares atualmente sejam aqueles instalados em pedais ou pedivelas. Vamos ver quais são os prós e contras de cada um.

Que tipo de medidor de potência é melhor?

Treinar usando a potência como referência, algo que há poucos anos estava disponível apenas para ciclistas profissionais, tornou-se tão popular que não é incomum ver bicicletas na estrada que incluem esse componente ou ciclistas falando sobre normalizada, IF ou picos de potência.

As vantagens na hora de treinar de forma precisa e regular as forças ao milímetro são aproveitáveis ??mesmo pelos ciclistas que buscam apenas completar seus percursos sem desfalecer pelo caminho.

Atualmente, coexistem no mercado duas filosofias de medidores de potência: as localizadas no movimento central, pedivelas ou coroas, e as que aproveitam os pedais para medir a força exercida. Outros sistemas de potenciômetros caíram em desuso, como os famosos cubos Powertap que iniciaram a democratização dessa forma de treinamento, ou sistemas de estimativa que calculavam a potência com base em diferentes parâmetros.

Como cultura, lembramos que os medidores de potência são baseados em dispositivos eletrônicos chamados strain gages ou extensômetro, que são pequenas chapas que, quando sofrem deformação, variam mais sua resistência à passagem da corrente elétrica quanto maior a deformação.

Colocados em várias partes da bicicleta, são capazes de detectar a deformação que ocorre em áreas como o movimento central, eixos dos pedais, pedivelas ou coroas devido à força exercida por nossas pernas ao pedalar. Conhecendo o torque aplicado pelas pernas e a velocidade de giro, a cadência, obtemos como resultado a potência que estamos transferindo para a bicicleta.

Potenciômetro nos pedais

Como dissemos, os fabricantes têm usado vários locais na hora de capturar a força exercida pelas pernas. Cada um deles tem algumas vantagens e desvantagens que nos farão optar por um ou outro tipo, dependendo de nossas necessidades.

No caso dos pedais, se trata de elementos de tamanho reduzido. Portanto, para colocar um medidor de potência neles, tudo deve ser miniaturizado ao máximo para conseguir, por um lado, que tudo se encaixe e, por outro, fazê-lo sem afetar os parâmetros do pedal, como o fator Q ou a altura do pedal.

Neste caso, os medidores de tensão têm que ser muito pequenos e colocados com muito maior precisão, o que pode ser uma fonte de margem de erro entre os modelos. A eletrônica também é muito apertada, então o espaço para a bateria que alimenta o sistema também é reduzido, então, em geral, a autonomia será menor.

Também temos que ter em mente que os pedais são uma parte da bicicleta que fica exposta em caso de queda e, embora não seja comum quebrar um pedal, a possibilidade está sempre presente. Além disso, sendo um elemento externo, também deve ser mais protegido contra chuva e sujeira.

No entanto, eles têm uma enorme vantagem, que é o que os torna o sistema escolhido por muitos: eles podem ser trocados de uma bicicleta para outra em apenas alguns minutos. Algo essencial se quisermos aproveitar a medição de potência em todas as nossas bicicletas, pois, embora os potenciômetros tenham se tornado mais baratos, eles ainda envolvem um gasto considerável.

Outra vantagem é que permitem a medição independente de ambas as pernas sem interações, algo útil para obter dados de desempenho biomecânico. Existem também modelos que medem uma única perna e calculam a potência resultante multiplicando-a por 2. Uma opção bem mais barata já que um dos lados é um pedal convencional.

A oferta deste tipo de medidor de potência é variada: Garmin Vector 3, Favero Assioma, Wahoo Speedplay Powrlink Zero ou Look Exakt são alguns exemplos.

Medidor de potência nos pedivelas

Esse tipo de medidor está associado a elementos que geralmente não são facilmente montados e desmontados da bicicleta, portanto, escolheremos um deles se tivermos uma única bicicleta ou pudermos pagar para ter mais medidores em nossas outras companheiras.

Como vantagem sobre os pedais, deve-se notar que é um sistema que é, em geral, mais protegido contra quedas e golpes, embora, como veremos, não esteja isento das condições meteorológicas. Temos opções para todos os gostos, desde aquelas que medem uma única perna até aquelas que nos fornecem uma medida independente de cada uma ou, as mais comuns que só nos oferecem o valor resultante da potência gerada pelas pernas.

Entre os potenciômetros que estão localizados na área do central, também encontramos vários tipos. De um lado estão os externos que geralmente consistem em uma espécie de captador aderido à face interna do pedivela e que contém os medidores de tensão, a eletrônica e uma pequena bateria de botão para alimentação.

Este tipo de medidor de potência é geralmente mais barato, embora tenha a desvantagem de não ser compatível com todas as combinações de pedivela e quadro se o espaço entre esses dois elementos for reduzido. Além disso, por ser um elemento externo, devemos contar com a boa vedação das unidades para garantir uma boa proteção contra água e sujeira.

Como exemplo desses potenciômetros podemos citar alguns dos mais populares como o 4iii, Stages.

No entanto, os mais comuns são aqueles que medem a deformação na área da aranha ou no eixo do pedivela. Em geral, esse tipo de medidor não nos fornece uma leitura diferenciada de cada perna, mas nos dá o valor total da potência que nossas pernas estão gerando. Na maioria dos casos são compatíveis com todos os tipos de bicicletas e as carcaças que abrigam a eletrônica e as baterias são muito protegidas, embora nenhuma seja como o INpower da Rotor que carrega toda a eletrônica dentro do movimento central.

Aqui encontramos uma ampla gama de modelos, por exemplo, os mencionados da Rotor, o Quarq da SRAM ou o medidor de potência Dura-Ace da Shimano. Power2Max, SRM, embora, sendo o mais elaborado, seu preço também seja superior à média.

Resumindo, escolheríamos os pedais se tivéssemos várias bicicletas e a necessidade de ter medição de potência em todas elas. No entanto, os potenciômetros que estão localizados nos pedivelas geralmente são mais protegidos, garantindo que esse componente dure muito mais.

procurando

Newsletter

Assine a nossa newsletter e receba todas as nossas novidades. Mountain bike, conselhos sobre treinamento e manutenção de sua bike, mecânicos, entrevistas ...

Você vai estar ciente de tudo!