Manias ciclistas que são difíceis de entender fora da bicicleta

Manias ciclistas que são difíceis de entender fora da bicicleta

Autoestrada 30 sep. 2022 13:38 Guilherme

Durante anos, costumes se enraizaram entre os ciclistas que são vistos com estranheza por quem está fora deste mundo e que em muitos casos são difíceis de justificar ou pelo menos explicar. Alguns deles fazem algum sentido, outros, analisando-os friamente, são completamente sem sentido.

Manias dos ciclistas que serão difíceis de explicar

Que a bicicleta é uma fonte de obsessões para quem pedala não é novidade para ninguém. Muitas vezes passamos grande parte de nossos pensamentos pensando no que aconteceu no passeio em grupo no fim de semana anterior e planejando as rotas para o próximo enquanto continuamos checando os sites de previsão do tempo.

Essa paixão ou obsessão pelo ciclismo é muitas vezes refletida em certas manias que, em muitos casos, são compartilhadas por grande parte dos que andam de bicicleta. Uma forma de agir que, pode-se interpretar, ajuda-nos a sentir-nos parte deste mundo, mas que se o analisarmos friamente, em muitos casos não tem muito sentido.

Levante a mão quem não esteve em nenhuma das situações que descreveremos.

Tomar café da manhã vestido de ciclista

A roupa de bicicleta é muito confortável para o que foi projetada, para andar de bicicleta, em outras situações, quando caminhamos ou quando temos que ir ao banheiro, não é particularmente prática, se não desconfortável: áreas que puxam e apertam, muitas camadas que precisam ser colocadas e retiradas, bolsos cheios que nos impedem de apoiar as costas...

No entanto, chama a atenção, no café da manhã antes de qualquer passeio no restaurante do hotel, mesmo muitos em suas próprias casas, assim que saem da cama, os ciclistas vestem diretamente suas roupas de andar de bicicleta e com as quais eles terão que passar muitas horas. Não falemos daqueles que terminam um passeio e entram direto no carro de bretelle para iniciar a viagem de volta.

Raspar as pernas

Usar as pernas raspadas tornou-se desde tempos imemoriais uma espécie de marca registrada entre os ciclistas. Esta pode ser a única razão realmente justificável, pois a principal razão para fazê-lo, é facilitar as massagens após as corridas, e não é algo aplicável a ciclistas comuns que raramente vão ao fisioterapeuta.

No entanto, para muitos não basta ser ciclista, mas é preciso provar e poucas coisas historicamente foram mais identificadoras do que ter as pernas completamente limpas, sem parar para pensar que hoje a depilação não é de forma alguma algo exclusivo do ciclismo e isso se difundiu na sociedade, tirando aquela aura de exclusividade que tinham quem andava de bicicleta.

Mostrar marcas de sol

Também relacionado ao look ciclista está a obsessão de muitos em ter marcas de sol perfeitamente definidas, apesar de que, quando chegamos à praia ou à piscina no verão, é totalmente desagradável.

Usar sempre o mesmo tipo de roupa e ajustar as pernas e punhos com cuidado para alinhá-los com as marcas do sol e que estas continuem a ser mais definidas é uma prática comum de muitos antes de sair para pedalar e que é cuidadosamente revista a cada parada. Mais uma vez, outro sinal de identidade que não só nos identifica como ciclistas, mas também, quanto mais definidas são, mais indica o nível do ciclista em questão, que supostamente tem muitos milhares de quilômetros em seu crédito.

Obsessão por dados

Velocidades médias, metros de desnível, tempos de subida, watts, frequência cardíaca... os números estão intrinsecamente ligados ao ciclismo durante toda a nossa vida. Quem não se lembra dos tempos em que toda a informação relacionada ao percurso que tínhamos acabado de fazer era cuidadosamente anotada num caderno, em muitos casos sem um significado claro já que eram poucos naquela altura que seguiam algum plano de treino.

Hoje, redes e ferramentas online como a famosa plataforma Strava assumiram o controle, mas não são poucos os que continuam analisando em detalhes o que reservou a rota do dia. Os tempos em cada uma das subidas, a velocidade média alcançada, os watts desenvolvidos. E, como no passado, sem saber muito bem o que fazer com essa informação além de atingir um certo nível de satisfação pelos quilômetros percorridos.

Números redondos

Quem não chegou em casa com 99,8 km no ciclocomputador e já andou pelas ruas do bairro e parou a gravação quando chegou a 100? Praticamente todos, como se 200 metros mais ou menos fossem fazer a diferença na nossa forma física.

Algo semelhante acontece com a velocidade média do percurso, dado que quando está alto parece ser uma demonstração de nossa força apesar de muitos não ativarem o ciclocomputador até saírem da cidade e vários pararem quilômetros antes de chegar em casa para evitar que o movimento pelas ruas diminua esse número, que é tão complicado de aumentar.

Remover as tampas das válvulas

As válvulas através das quais as rodas da nossa bicicleta são infladas possuem tampas de plástico que em teoria servem para proteger esta peça de elementos como lama ou chuva. No entanto, por algum motivo estranho, usá-los é visto em algumas áreas como algo para pebas sem que ninguém tenha conseguido dar uma explicação minimamente lógica para essa associação até agora.

Também não é uma questão de peso se levarmos em conta que não chegam nem a 2 gramas, o que podemos economizar dispensando um elemento que, por outro lado, também não desempenha uma função necessária. A prova são todas as bicicletas que não as têm sem que isso seja um problema para elas, embora para muitos seja algo tão obsessivo que eles até removem as tampas das bicicletas de seus colegas de grupo.

Se é curioso retirar as tampas, não menos curioso são aqueles que deixam na bicicleta todos os adesivos de aviso que as bicicletas novas costumam incluir, avisando o proprietário de que os discos de freio podem queimar a mão ou que o quadro se destina a um determinado uso e que leia o manual antes de usá-lo. Adesivos que em muitos casos ainda estão lá depois de anos de uso da bicicleta.

Rivalidade nos grupos

Quando alguém de fora do ciclismo ouve as conversas dos membros de um grupo, muitas vezes chega a duvidar se a amizade reina entre eles. Histórias das verdadeiras batalhas que ocorrem durante as saídas e em que o objetivo é se impor aos outros para tentar ser uma espécie de macho alfa do grupo.

Felizmente, na maioria dos casos, é uma rivalidade saudável com uma grande dose de imodéstia, apesar de ser impressionante para o observador externo. O problema é que, em alguns casos, essas rivalidades se misturam com as pessoais, chegando a causar em muitas ocasiões autênticas cismas dentro dos grupos.

Gastar dinheiro para deixar a bicicleta mais leve

Já faz algum tempo que o preço dos componentes da bicicleta ultrapassou o euro por grama de economia. Mesmo assim, o peso ainda é um dos parâmetros mais levados em consideração na escolha de um novo guidão, selim ou rodas, ignorando outros parâmetros como rigidez, funcionalidade ou conforto do novo componente.

Também chama a atenção o investimento significativo que fazem para tirar alguns gramas da bicicleta quando, na grande maioria dos casos, o ciclista tem vários quilos sobrando do que seria o valor ideal para sua fisionomia e que é a forma mais eficiente de melhorar nosso desempenho além do treinamento.

Jantar e tomar café da manhã com macarrão antes de uma prova importante

Passar por uma sala de jantar de hotel na noite anterior a um passeio de bicicleta parece testemunhar uma homenagem à comida italiana por excelência. De fato, em muitas provas, cunharam o termo festa da massa, para nomear a comida que os organizadores fornecem aos participantes.

Também chama a atenção notar como este rito é uma espécie de purgatório pelo qual é necessário passar para se apresentar no início da prova sendo um participante digno, transformando-o em muitos casos em uma penitência em que este prato é comido sem qualquer tipo de complemento ou molho, no máximo um pouco de azeite.

Tudo isso apesar de hoje haver muito mais informação nutricional e muito mais opções, especialmente mais saborosas e estimulantes, para repor nossos estoques de glicogênio. Também não é levado em consideração que em muitas ocasiões essa obsessão em carregar os depósitos ao máximo se reduz à noite anterior, quando no resto do tempo é óbvio manter uma nutrição esportiva adequada.

procurando

Newsletter

Assine a nossa newsletter e receba todas as nossas novidades. Mountain bike, conselhos sobre treinamento e manutenção de sua bike, mecânicos, entrevistas ...

Você vai estar ciente de tudo!

¿Prefieres leer la versión en Español?

Manías ciclistas que son difíciles de entender fuera de la bici

Visitar