Enric Mas fala sobre como o medo psicológico o atacou nas descidas do Tour e como está recuperando a confiança:

Enric Mas fala sobre como o medo psicológico o atacou nas descidas do Tour e como está recuperando a confiança: "foi horrível"

Autoestrada 24 nov. 2022 11:47 Guilherme

Na véspera de uma nova temporada, Enric Mas se abre sobre os problemas que sofreu no último Tour de France. Uma situação da qual ele conseguiu virar a página para um final de ano de maneira emocionante, com um papel de destaque nas clássicas italianas e seu pódio meritório em La Vuelta que o colocou diante de um 2023 que se apresenta como uma página em branco para poder demonstrar todo o seu potencial.

Foi assim que Enric Mas solucionou seus problemas com as descidas

Não foi uma temporada fácil para o ciclista da Movistar Team, Enric Mas. O peso de ser a referência de sua equipe na disputa pelas grandes voltas, a falta de conexão com uma torcida que vem criticando tremendamente o espanhol depois de alguns anos em que ele não conseguiu mostrar o nível que se esperava dele, junto com sua aparente falta de combatividade e uma série de quedas durante o primeiro semestre do ano, acabaram destruindo a confiança de Enric Mas durante a prova mais importante do ano, o Tour de France.

Em entrevista concedida ao portal CyclingNews, Enric Mas analisa o que aconteceu no Tour de France e explica como conseguiu reverter uma situação crítica para terminar o ano mostrando um nível que se pode sonhar em vê-lo lutando contra os grandes favoritos.

“Foi um desastre” Enric Mas repete várias vezes na entrevista acima mencionada ao se referir ao Tour de France. Uma prova a que chegou em boa forma, mas tudo correu mal quando chegava a descida.

“Sentia-me como se estivesse andando de bicicleta pela primeira vez” é a frase descritiva que Enric usa para comentar um problema que foi causado pelas quedas que sofreu durante o Tirreno-Adriatico, Itzulia e, acima de tudo, o Critérium du Dauphiné. Não foram quedas com consequências graves, embora tenham sido muito feias, o que deixou um resíduo psicológico que detonou durante a disputa do Tour de France. "Eu entrei em pânico. Eu estava com medo a cada curva. Dúvidas entram na sua cabeça e dizem que você tem que frear em curvas que podem pegar 80 km/h”, explicou Enric Mas.

Por isso, ter que abandonar por causa do Covid dois dias antes de chegar a Paris foi quase uma libertação para Enric Mas “Naquele momento o Tour era irrelevante para mim. Eu queria terminar e, embora não gostasse de não o fazer, já estava pensando em La Vuelta”.

Recuperar a cabeça

Apenas um mês depois de chegar ao fundo do poço no Tour de France, um novo Enric Mas apareceu na largada holandesa de La Vuelta. Poucos o incluíram na lista de favoritos, nem mesmo para ocupar um lugar na zona nobre da classificação. No entanto, a corrida nos presenteou com um Enric Mas mais ofensivo e motivado do que nunca, assim conseguiu recuperar parte do crédito perdido com os fãs, sendo superado na classificação geral apenas por um intratável Remco Evenepoel.

O que mudou naquele mês? “Depois do Tour, desconectei por alguns dias e comecei a trabalhar. O psicólogo, o especialista em descida e meu treinador trabalharam juntos. Eles me ajudaram muito”, compartilhou Enric Mas em referência às sessões de treinamento que realizou em Andorra. “Tratava-se de repetir descidas e depois parar e olhar para o que você estava fazendo certo e o que estava fazendo errado. Subir e descer novamente. Quando você perde a confiança você tem que recuperá-la e muito disso é uma questão de técnica: como fazer as curvas, distribuir o peso, etc.”

O psicólogo também desempenhou um papel importante, racionalizando seu progresso na descida e concentrando-se em aproveitar as coisas. Além disso, contou com o apoio de seu companheiro de equipe José Joaquín Rojas que "tentou transmitir a tranquilidade de veterano e insistiu que desfrutasse da bicicleta", comentou o murciano.

Os resultados não demoraram a chegar e nas etapas de Cantábria e Astúrias com as quais terminou a primeira semana de La Vuelta não teve nenhum problema nas descidas.

Depois do segundo lugar em La Vuelta, o 9º lugar na Taça Agostini e a vitória no Giro dell'Emilia, lutando frente a frente com Tadej Pogacar “me dão confiança. Estou no caminho certo. Pouco a pouco me aproximo e espero estar no nível deles”

procurando

Newsletter

Assine a nossa newsletter e receba todas as nossas novidades. Mountain bike, conselhos sobre treinamento e manutenção de sua bike, mecânicos, entrevistas ...

Você vai estar ciente de tudo!

¿Prefieres leer la versión en Español?

Enric Mas habla sobre cómo le asaltó el miedo psicológico en las bajadas del Tour y cómo está recuperando la confianza: "fue horrible"

Visitar

Do you prefer to read the English version?

Enric Mas talks about how psychological fear assaulted him on the Tour's downhills and how he is rebuilding his confidence: "It was a disaster"

Go