Treinamento feminino para ciclismo, porque é diferente?

Autoestrada 9 ene. 2022 21:01 Guilherme

Vamos falar sobre a preparação física da mulher, focando na parte fisiológica e de treinamento, fornecendo em alguns casos dados que são relevantes para determinar o desempenho de uma mulher no ciclismo.

Chaves fisiológicas no treinamento feminino

Para começar, no desenvolvimento da mulher, suas diferenças morfológicas se estabelecem a partir da puberdade, onde ocorrem mudanças em termos de tamanho e composição corporal. É com a ajuda dos hormônios sexuais que ocorre uma grande mudança na altura, distribuição de gordura/músculo e maturação prematura.

É nesta gordura que normalmente é superior entre 5 e 10% à do homem, um dos fatos diferenciadores no seu desempenho. Ela atua como peso morto no corpo da mulher e é uma massa "extra" que é incapaz de produzir movimento, coisa que pode fazer o músculo, mais abundante no corpo masculino.

As mulheres normalmente apresentam a nível hemático uma hemoglobina inferior (-10%), tendo como consequência a capacidade de transportar oxigénio para o músculo esquelético em menor quantidade do que com valores mais elevados do mesmo.

Com o sistema respiratório, as mulheres apresentam menor capacidade vital e menor volume ventilatório máximo, devido ao tamanho corporal e pulmonar menor que os homens. Também é certo que isso causa um aumento na frequência respiratória.

Entrando em termos de treinamento esportivo e sua fisiologia, falaremos sobre o consumo máximo das mulheres, ou o famoso Vo2max, que é a capacidade do nosso corpo de captar e transportar oxigênio no músculo pelo nosso peso corporal e quantidade de oxigênio que respiramos no máximo esforço. Este Vo2max é limitado por vários fatores: pelo percentual de gordura corporal, maior ou menor concentração de hemoglobina, menor volume sanguíneo total, menor volume sistólico do coração e gasto cardíaco dependendo do tamanho do coração. A partir daqui é onde você pode estabelecer as diferenças neste conceito tão importante no alto rendimento esportivo.

Os valores em diferentes estudos científicos referentes ao Vo2max falariam de um valor médio no ciclista profissional entre 60 - 75 ml/kg/min de acordo com Impelizerri, F. e MARcora, SM (2006), com uma potência relativa de 5,0 w / kg no seu limiar anaeróbico.

Há outro fator a ter em conta nas mulheres, que é a força, uma ferramenta importante no desenvolvimento do ciclista ou de qualquer atleta na maioria dos esportes. Digamos que os valores de força máxima permaneçam os mesmos e estáveis ??antes da puberdade, mas com o desenvolvimento de diferentes hormônios sexuais há uma rápida diferenciação com os homens a partir dessa etapa biológica.

A mulher adulta tem menos força na parte superior do corpo (entre 40 e 60% menos) do que na parte inferior (25-30%), uma informação importante para a mulher ciclista.

De acordo com vários teóricos do treinamento, o trabalho de força não deve variar do homem, simplesmente devemos levar em consideração dois fatores:

  • A mulher moverá percentuais inferiores de 1 RM ao que o homem no trabalho de academia.
  • Haverá uma estagnação no ganho de força, no caso dos meninos ocorre entre 16-20 semanas, enquanto nelas ocorre entre 4 e 8 semanas de treinamento.

Se olharmos em termos relativos o peso a ser movido com a parte inferior do corpo das mulheres e o peso corporal, poderíamos dizer que as mulheres têm maior força corporal inferior do que os homens.

Por fim, falaremos também sobre o ciclo menstrual das mulheres, onde a cada 28-30 dias elas apresentam a fase secretora, que deve ser levada em consideração como se preparar para as competições e monitorar o quanto afeta a ciclista, pois cada mulher tem diferentes níveis de tolerância aos sintomas produzidos por ela.

Existem diferentes distúrbios menstruais produzidos pelo treinamento e que vou citar abaixo:

  • Retardo da menarca. Demora mais do que deveria para ocorrer.
  • Amenorréia (primária ou secundária). É um atraso no ciclo menstrual, com diferentes graus de comprometimento.
  • Anovulação. Seria a incapacidade de ovular.
  • Cólica. Dor abdominal produzida pela menstruação.
  • Tensão pré-menstrual. Aumento da dor antes do início do ciclo menstrual.

Com este artigo pretendemos conhecer diferentes informações fisiológicas do corpo da mulher sem nos aprofundarmos muito nelas e poder incentivar o número de participantes nas provas de MTB, estrada, ciclocross, DH... o que na Espanha ou em qualquer país segue em ascensão, buscando melhores benefícios e programas de desenvolvimento para a menina ciclista. Além de mais participação, um maior número de meninas em nosso esporte também pode contribuir com muito mais estudos científicos e conhecimento mais preciso sobre sua resposta ao exercício físico do ciclismo.




Newsletter

Assine a nossa newsletter e receba todas as nossas novidades. Mountain bike, conselhos sobre treinamento e manutenção de sua bike, mecânicos, entrevistas ...

Você vai estar ciente de tudo!