Entrevista com Vlad Dascalu:

Entrevista com Vlad Dascalu: "Estou longe de conseguir, mas quero ganhar uma Copa do Mundo"

Mountain Bike 11 ene. 2022 21:51 Guilherme

A contratação de Vlad Dascalu pela Trek Factory Racing é uma das grandes novidades do início do ano. Com sua apresentação, a equipe compartilhou esta entrevista em que Vlad fala sobre sua decisão de permanecer na família Trek.

Entrevista com Vlad Dascalu após sua recente contratação pela Trek Factory Racing

Por que você acha que melhorou tanto da primeira temporada de elite em 2020 para a segunda em 2021?

Houve muitas mudanças quando fui para a elite, acredito que não me senti bem. Porque quando você tem o capacete Red Bull, você quer dar o seu melhor e vencer todas as corridas. As primeiras corridas da temporada de 2020 não foram bem porque fiquei doente e demorei muito a recuperar.

A primeira Copa do Mundo do ano foi em Nove Mesto, e não saiu como planejado, não me senti muito bem. Sou o tipo de piloto que precisa competir, sabe? Existem outros que conseguem atingir um bom nível apenas treinando, mas eu preciso de corridas. Preciso da motivação que a corrida me dá. Isso me ajuda a ultrapassar meus limites e alcançar meu nível superior.

Não sabíamos quando íamos competir novamente. Eu realmente necessito das corridas e adoro isso.

Sim, as primeiras corridas não foram muito boas, mas a cada corrida fui mais rápido e fui 11º no Mundial e no Campeonato Europeu em 2020, o que foi muito bom porque ao longo da temporada tive muitos altos e baixos. Esses resultados me motivaram para o período de off season.

Então, para a temporada de 2021, trabalhei muito antes de começar e estava motivado para ir às Olimpíadas. Eu realmente trabalhei duro para isso. Acho que ter uma temporada normal com muitas corridas me motivou a encontrar o meu nível superior.

Como foi estrear na elite no meio de uma pandemia? Foi muito estressante?

Não sabíamos quando íamos correr, mas ainda tínhamos que estar preparados. Tínhamos que continuar treinando. Passei dois meses treinando dentro de casa, o que foi uma loucura. Eu olho para trás agora e não sei como fiz isso [risos]. Tentei manter minha forma apenas fazendo exercícios internos. E tinha aquela coisa de não saber quando poderíamos competir. Eu realmente preciso correr e adoro isso.

Quando isso desapareceu, às vezes eu ficava sem energia para ir treinar, sabe? A disciplina estava lá, mas faltava algo e meu treinamento não era o mesmo.

Olhando para a temporada passada, seu nível subiu e subiu ao longo do ano para alcançar o segundo lugar em Snowshoe. Como se sentiu?

O primeiro pódio em Leogang me surpreendeu. Isso foi inesperado, porque sim, eu estava em boa forma, mas não esperava o sucesso tão cedo. Isso me fez sentir que estava competitivo de novo, como se pudesse lutar pelo pódio e a vitória não estivesse tão longe. Realmente me deu a confiança de que posso estar lá.

Durante a temporada de 2019, minha última temporada Sub-23, tive essa confiança. Então, em 2020, eu perdi o controle porque não me sentia 100% como eu. E acho que na temporada passada recuperei essa confiança, tive treinadores que confiaram muito em mim e acho que isso ajuda muito nas corridas. Se estou deprimido, leva muito tempo para forçar seus limites e ficar calmo. Por exemplo, em Snowshoe, eu estava ao redor do 20 na primeira volta, mas me mantive tranquilo e sabia que podia respirar.

Estava em boa forma, mas não esperava sucesso tão cedo. Isso me fez sentir que estava competitivo de novo, como se pudesse lutar pelo pódio e a vitória não estivesse tão longe.

Como fica, com seu primeiro pódio em Leogang ou sua primeira medalha em Snowshoe?

A de Snowshoe foi incrível. Realmente gostei. Foi uma boa corrida. Foi frustrante ver que a vitória estava tão perto, mas não havia nada que eu pudesse fazer. Foi muito, muito rápido na última volta. Todas essas coisas me mantêm motivado para a próxima temporada.

Olhando para trás, há alguma memória que destacaria da última temporada?

Sim, seriam as Olimpíadas. Independentemente do resultado, acho que foi muito bom. Fui às Olimpíadas com um top 10 em mente, então foi muito bom. Mas a experiência de estar no meio de um evento tão grande foi simplesmente genial. Eu gostei muito.

Como foi a experiência olímpica? E como você se sentiu na largada?

Não parecia uma corrida normal. Antes de voar para Tóquio, a pressão estava lá, mas não tanto. Mas quando você chega lá e vê tudo sobre as Olimpíadas, também nas redes sociais, tudo é maior em torno das Olimpíadas.

Quando cheguei, senti mais pressão sobre mim. Não sei porquê, mas estava tentando fazer tudo perfeito, ter todos os meus melhores dias antes da corrida, certificando-me a 100% de fazer tudo o que podia.

Tive um pouco mais de pressão do que o normal. Nossa vila olímpica ficava um pouco mais longe de Tóquio, umas quatro horas. Então foi bom porque era um pouco como uma Copa do Mundo. A maioria dos pilotos eram pilotos da Copa do Mundo. Portanto, era um ambiente familiar, pelo menos.

Você esteve no training Trek-Segafredo na Espanha em dezembro. Como foi a experiência?

Normalmente não faço tantas horas na bicicleta. Mas quando você tem a oportunidade de treinar com os caras da estrada que são muito rápidos, acho que é uma boa experiência, e também um bom treino de base.

Então, eu quero ter ideias e ver o que eles fazem após o treinamento. Apenas tiro mais ideias para a minha rotina diária. É uma boa oportunidade para melhorar as pequenas coisas, e também para treinar em boa companhia, porque treinar cinco horas sozinho em casa é muito mais difícil do que com cinco ou seis ciclistas [risos]. E também em dezembro e janeiro aqui o clima é muito bom. Você pode usar bermudas.

A próxima temporada será tecnicamente sua terceira temporada na elite, mas será como sua segunda, depois de como foi turbulento 2020. Como busca melhorar como ciclista agora que experimentou um calendário completo de corridas na elite?

Os resultados que tive no ano passado me deram confiança para continuar melhorando. Quero manter esse tipo de rotina e fazer as concentrações em altura que fazia antes das corridas importantes. Eu só quero fazer o meu melhor. Estou muito motivado para estar com a equipe. Não me sinto tão longe de conseguir, mas ao mesmo tempo estou longe de ganhar uma Copa do Mundo, mas é isso que eu quero.

O que significa para você fazer parte da Trek Factory Racing?

Quando eu era jovem e estava começando a competir, a Trek Factory Racing era a equipe dos meus sonhos. Pensava: "Gostaria de fazer parte desta equipe no futuro." E estar aqui agora, ser parte da Trek Factory, é como um sonho que se tornou realidade e eu não poderia estar mais feliz com isso.

O que o levou a permanecer na família Trek?

Eu queria continuar com a Trek porque gosto muito das bicicletas e de todas as coisas relacionadas a equipamentos. Eu via de fora e agora ainda mais de dentro. Porque quando você conhece as pessoas que formam uma equipe, você gosta ainda mais. Então, acho que foi a melhor decisão que pude tomar.

procurando

Newsletter

Assine a nossa newsletter e receba todas as nossas novidades. Mountain bike, conselhos sobre treinamento e manutenção de sua bike, mecânicos, entrevistas ...

Você vai estar ciente de tudo!

¿Prefieres leer la versión en Español?

Entrevista con Vlad Dascalu: "Estoy lejos de conseguirlo, pero quiero ganar una Copa del Mundo"

Visitar