Davide Cassani quer criar um 'Alpecin-Fenix à italiana'

Autoestrada 18 ene. 2022 12:01 Guilherme

Costumamos falar do declínio do ciclismo espanhol dizendo que, enquanto em 2005 tínhamos 4 equipes de alto nível (Illes Baleares, Liberty Seguros, Euskaltel Euskadi e Saunier Duval), hoje só nos resta uma, a Movistar. Mas se há um país que sofreu um revés ainda maior, é a Itália. No ano de 2000 eles tinham 8 esquadras na primeira categoria e, desde 2017, tem exatamente zero. Por esta razão, o ex-ciclista, ex-comentarista e ex-técnico Davide Cassani decidiu criar um 'Alpecin-Fenix à italiana'. Um projeto ProTeam com um orçamento de 10 a 12 milhões e corredores top, que ganham com suas vitorias o direito de participar das grandes voltas. E isso devolve a ilusão aos fãs.

Davide Cassani

Em busca de patrocinadores

Cassani, que foi demitido de seu cargo na seleção nacional em setembro (foi substituído por Daniele Bennati, que foi sprinter e gregário de Alberto Contador no Saxo-Tinkoff, e Alejandro Valverde na Movistar), anunciou seu plano em uma entrevista ao jornal La Gazzetta dello Sport, e deu a entender que tem algumas coisas já muito avançadas. Será "uma equipe com alma italiana, para que se fale Made in Italy. Com um patrocinador italiano, não multinacionais estrangeiras".

Até o fornecedor de bicicletas já teria combinado, que seria outro clássico transalpino: Pinarello (o mesmo da Ineos). "Já sabe qual é a relação que tenho com ele", responde Cassani na entrevista quando questionado sobre uma possível parceria com Fausto Pinarello, dono da marca.

Cassani Tokio

“Por enquanto, estou fazendo tudo sozinho: a parte burocrática e a busca de patrocinadores”, diz o ex-corredor dos anos 90. “Meu objetivo, meu sonho, é uma equipe ProTeam em 2023, para depois chegar ao WorldTour. É um projeto de longo prazo, não um ‘encontre o dinheiro, tente um ano e depois desista'. O prazo para ir adiante é abril."

E, quando perguntado se seria algo parecido com a Alpecin-Fenix ??de Mathieu Van der Poel, com uma imagem forte, um corredor de alto nível e convites para as grandes voltas, sua resposta é contundente: "Exatamente, isso mesmo. O modelo é esse”. Mas estrelas como quais? Cassani até dá um nome: Matteo Trentin. "Existe uma relação muito boa entre nós e tenho uma grande estima por ele. Ele é um dos caras que me permitiu fazer bem o meu trabalho nestes anos (na seleção). Se a equipe for adiante, será o primeiro que entrarei em contato."

Mathieu Van der Poel y Wout Van Aert

Seu objetivo, na verdade, é "retornar" à Itália muitos de seus campeões, que tiveram que deixar o país para ter sucesso nos últimos anos. E aí, além de Trentin, podemos incluir pessoas como Damiano Caruso, Giulio Ciccone, Sonny Colbrelli (vencedor da última Roubaix), Davide Formolo, Gianni Moscon, Giacomo Nizzolo, Diego Ulissi.... Também jovens promissores como Andrea Bagioli ou Alessandro Covi. E, sobretudo (embora pareça inatingível arrancá-lo da Ineos), o grande Filippo Ganna.

Uma possibilidade, aliás, é que a nova equipe adquira a estrutura de uma já existente. Especificamente, a da Bardiani CSF Faizanè de Bruno Reverberi. "Seria preciso ver como. Com Bruno e com Luca Bardiani eu já falei, nos conhecemos há 40 anos. Foram eles que vieram me ver", diz Cassani.

Cassani Ariostea

Uma figura reverenciada na Itália

A verdade é que, se alguém pode montar um projeto como esse, é Davide Cassani. Como corredor, nos anos 80 e 90, ele era apenas de classe média. Lembrado sobretudo por seus anos no lendário Ariostea (1990-1993), ganhou duas etapas no Giro d'Italia, vestiu a camisa de pontos vermelha por vários dias no Tour de France de 1993 e terminou em 3º na Lombardia e 4º em uma Lieja.

Após se aposentar em 1996, porém, tornou-se 'o Perico Delgado italiano ': passou 18 anos como comentarista do canal público RAI, durante os quais conquistou o carinho do público e o respeito do pelotão (para o qual contribuiu não poucos gestos como comprar a bicicleta de Marco Pantani no Tour de 1998 por 66.000 euros para doá-la ao museu fundado por sua mãe em Cesenatico). Finalmente, em 2014, abandonou os estúdios de televisão para iniciar uma terceira experiência como técnico da seleção italiana.

Davide Cassani maillot italiano

Nesses 7 anos, conquistou muitas vitórias: 4 títulos europeus consecutivos (de 2018 a 2021, com Trentin, Viviani, Nizzolo e Colbrelli), uma prata no Mundial de 2019 (também com Trentin) e os ouros de contrarrelógio de Filippo Ganna. (2020 e 2021). No entanto, nem no Rio 2016 nem em Tóquio 2020 ele conseguiu qualquer medalha. E isso, unido as sempre enormes ambições da equipe italiana nos campeonatos mundiais na estrada, acabou penalizando-o.

Agora, ele enfrenta sua quarta reencarnação como possível gerente de uma equipe que aspira a conviver com os grandes no Giro, Tour e Vuelta a partir de 2023. Teremos que estar atentos ao progresso deste novo Alpecin-Fenix ??à italiana que pode começar a rodar em breve.

Newsletter

Assine a nossa newsletter e receba todas as nossas novidades. Mountain bike, conselhos sobre treinamento e manutenção de sua bike, mecânicos, entrevistas ...

Você vai estar ciente de tudo!